quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Iris Simões volta a ser Deputado Federal

IRIS SIMÕES(PR) REASSUME MANDATO DE DEPUTADO FEDERAL

Íris Simões(PR) voltou a assumir o mandato de deputado federal hoje em Brasília. Assume no lugar do deputado federal Ricardo Barros(PP) que se licenciou por 4 meses.

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

A verdade é triste, mas deve ser encarada de frente.

A diretoria do Coritiba, torcedores e parte da imprensa paranaense, agora começam a querer comparar os atos de vandalismo no Couto Pereira, a outros acontecimentos semelhantes, mesmo aqueles de dimensão muito menor, para tentar diminuir a realidade dos fatos; Ora, é exatamente o que os responsáveis pela organização e segurança nos jogos do coxa ou de outros times, mais desejam no momento; Minimizar a barbárie presenciada domingo passado, tampar o sol com a peneira. Têm-se que ter hombridade e vergonha na cara! O que aconteceu foi um vandalismo total, uma verdadeira batalha campal! Onde policias trabalhadores, pais de família, e outras pessoas de bem que estavam só assistindo e torcendo,ou outra que simplesmente passavam pelos arredores do estádio no momento, foram covardemente agredidos por marginais. Em vez de se tentar disfarçar, que tal assumir a responsabilidade dos fatos, que foram assistidos no mundo todo e manchou sim a dignidade dos paranaenses, e a partir daí tomar atitudes não só para punir os agressores, mas para se evitar que isso se repita! Não vamos tapar os olhos e fingir que já passou e que está tudo bem, que já é página virada, o Paraná exige atitudes enérgicas que venham a coibir tal acontecimento de verdadeiro horror , onde não só feriram o corpo, mais também a alma da família paranaense.

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Lei anti fumo não está sendo bem fiscalizada nos terminais de ônibus em Curitiba.

Tem muita gente me falando que estão fumando nos terminais de ônibus em Curitiba e que mesmo que outros usuário denunciem insistentemente,  a fiscalização não chega! Premeditamente não comparecem, para não multar a URBS...Mas, se for no boteco do seu Zé na esquina, lá vai milão de multa! Vai gerar protesto! Já está começando a pegar mal, a lei que, apesar de ser inconstitucional, foi colocada em vigor na cidade, e sendo assim ou é para todos ou para nenhum! Mas a gente já sabe como funciona, né? Agora também o que tem de pesssoas transgredindo a lei antifumo nos terminais, propositalmente...Dizem que é uma maneira de conseguir que seja aplicada uma multa àquela que está ilegalmente lhes aplicando multas de trânsito! É como naquela estória do "feitiço virar contra o feiticeiro..". Mas pelo que estão me noticiando, o pessoal vai ter que estar muito bem municiado, digo de cigarros, para conseguir tal feito, visto o número que autos de infração aplicados na URBS, é ínfima perante as ocorrências registradas.

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

ABRADAP PROTOCOLA MANDATO DE SEGURANÇA CONTRA LEI ANTIFUMO EM CURITIBA

Na Justiça



O diretor-executivo da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), Luciano Bartolomeu, considera a medida “arbitrária”. “Deveria punir também quem puxa o cigarro, não apenas os estabelecimentos”, diz Bartolomeu, que é proprietário de um restaurante. “E se tivermos que chamar a polícia para retirar um cliente que insiste em fumar, será que os policiais darão prioridade para atender uma ocorrência de assalto ou estupro, ou um fumante?”, questiona Fábio Aguayo, presidente da Abrabar.


Tanto a Abrabar quanto a Abrasel aguardam o julgamento de liminares que pedem a suspensão dos efeitos da lei, mas até o fim desta tarde nenhum havia sido acatado e não havia previsão de uma decisão.


Na tarde de terça-feira (17), a Associação Brasileira de Defesa, Amparo e Proteção do Trabalhador (Abradap) protocolou mandado de segurança questionando a constitucionalidade da lei, mas a ação ainda não havia sido distribuída para nenhuma Vara até o fim da tarde desta quarta. “Com essa lei haverá demissões em todos os setores ligados à indústria do cigarro e em bares e restaurantes, já que os clientes deixarão de frequentar esses lugares”, alega a advogada da entidade, Margareth Pimpão Giocondo. Segundo ela, o mandado de segurança se sustenta no fato de que uma lei federal já regulamenta as restrições ao cigarro e permite o fumo em áreas reservadas, ao contrário da lei municipal. Quanto à inconstitucionalidade da Lei Anti Fumo.


Fonte: JL


OLHO VIVO: O que está sendo questionado em relação à Lei Antifumo é quanto à sua inconstitucionalidade e não quantos aos efeitos nocivos da nicotina.Temos que tomar cuidado para não deixarmos que mascarem e deturpem a realidade dos fatos, visando manipular a opinião popular, dos verdadeiros interesses escusos por detrás de tais ações, que transgridem as competências institucionais democráticas nacionais estabelecidas.Vivemos num Estado Democrático de Direito, e não podemos deixar que tais mazelas, com fins visivelmente eleitoreiros se apoderem das nossas Instituições e as desvirtuem de suas reais e primordiais finalidades, que são a defesa igualitária dos direitos dos cidadãos e a preservação da lei e da ordem em nosso País, para um simples instrumento de promoção pessoal. Legislar sobre este assunto é de competência federal, e ponto final. Desrespeitar a ordem legal neste caso é transgredir a Constituição Federal, não só neste ponto, mas também quanto à restrição de liberdade, o que é cerceamento dos Direitos Fundamentais. Se formos coniventes a esta atitude, seria então melhor rasgar a nossa Carta Magna e vivermos numa anarquia.Parabéns à todas as entidades que têm a coragem de se manifestarem oficialmente contra a lei e à favor da manutenção da liberdade de direitos dos cidadãos. Afinal de contas vivemos em um Regime Democrático, ou ditatorial neste País?


Por Paulo Micoski

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Operadora Oi se recusa a instalar telefones na região de Arapongas


Waldyr Pugliesi quer explicações do presidente da Oi

O presidente estadual do PMDB, Waldyr Pugliesi, quer que o presidente da Oi, Luiz Fernando Falco, explique porque a companhia está sabotando a instalação do Parque Industrial de Sabáudia, na região de Arapongas. Pugliesi está furioso porque a Oi se recusa a instalar o serviço de telefonia na região onde funcionarão trinta empresas.
Fonte: Paraná on line

OLHO VIVO: Que as operadoras de telefonia têm oferecido um serviço muito aquém do que podem e deveriam prestar no Brasil, a gente já está cansado de saber, mas neste caso se torna aviltante o descumprimento das obrigatoriedades na concessão dos serviços públicos que lhe foram incumbidos pelo Governo Federal. 
Porém não posso deixar de questionar os motivos que estão fazendo a operadora agir desta maneira, visto que o objetivo principal de qualquer empresa, principalmente se tratando de telefonia, é a competetividade e a expansão no mercado, em sendo assim "brigam" com a  concorrência por qualquer cliente, neste caso expecífico, por qualquer linha, que se pode conquistar. Mas, Comenta-se nos bastidores políticos, que está havendo influências externas, de pessoas interessadas em tentar impedir o sucesso da atual administração do município de Arapongas, a qualquer custo, mesmo em detrimento da população. Vamos aguardar para ver, "mas neste mato tem coelho".

Teatro montado


Fonte: Paraná on line

Depois de todo o imbroglio sobre câncer de mama e orientação sexual, o governador Roberto Requião (PMDB) e o travesti Andrielly Vogue viraram amigos. Andrielly foi à Escola de Governo ontem e ficou encantada com o modo como foi recebida por Requião.

“Ele é muito educado e disse que eu posso voltar quando quiser”, afirmou Andrielly, que entregou ao governador um texto defendendo-o junto ao Ministério Público Federal, que está de olho nas declarações do peemedebista sobre o movimento LGBT.

OLHO VIVO: Quanta hipocresia! Pois todo mundo sabe da opinião do governador sobre este assunto, será que pensam que o povo é burro para aturar e acreditar neste script montado "só para inglês ver", que me perdoem os ingleses, pois com certeza eles não gostariam de observar tais mazelas, a não ser em um filme de comédia!


terça-feira, 10 de novembro de 2009

Justiça Virtual

Hoje verifiquei que a 22° Vara do Trabalho de Curitiba é virtual mesmo! E tive ciência de tal fato da seguinte maneira: 
- Necessitado retirar um processo em carga (virtual, através de pen drive) dirigi-me ao primeiro endereço real desta, descrito na publicação, como sendo: Av. Vicente Machado, 147, 9° andar, onde me informaram que esta havia sido tranferida para o número 400 desta mesma rua, na Justiça do Trabalho, local para onde me direcionei. Lá chegando ao verificar que não havia nenhum aviso sobre a sua localização no prédio,  procurei o guichê de informações, onde falei ao funcionário ali postado que necessitava localizar a 22° VT. Após ter sido questionado se eu desejaria ir para a secretaria, ou para a sala de audiências, eu respondi que seria a secretaria, visto que buscava fazer carga de um processo. Fui então orientado a me dirigir ao anexo (inexistente) do 9° andar, onde minha busca foi mais uma vez em vão...Resolvi, então retornar ao guichê de informações, e desta vez o atendente me respondeu da seguinte maneira: "Sabe Senhor, é que ainda não está em funcionamento!"

Legal né! Então eu havia subido ao nono andar só para ver o local onde virtulamente será instalada a 22 VT°... Bota virtualidade nisto! Mas... E a carga do processo que eu preciso fazer? Acho vou tentar em algum ciberespaço na web......

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Servidores do MTE/PR em greve.

             Os funcionários do Ministério do Trabalho do Paraná (SRTE/PR) estão em greve por tempo indeterminado desde o último dia 05 de Novembro, para exigir uma manifestação oficial por parte do governo em relação á Pauta de Reivindições por eles entregue em fevereiro deste ano. E não é nada mais que justo assim agirem, pois nem para  dar um parecer sequer, chamando para uma discussão  ou muito menos atenção aos seus pedidos se dignaram as autarquias federais. Interessante, pois estes  que agora governam e dão as costas aos servidores, são os mesmos que outrora os defendiam com unhas e  dentes e estavam sempre á disposição para madrugar e anoitecer nos piquetes às frentes dos prédio públicos com seus infindáveis   discursos, na veemência e lamúria  contra o arrochamento salarial e a falta de um plano de carreira adequado à categoria! As razões eram verdadeiras, mas quem proferia as palavras, hoje se comprova que não. Quem te viu e quem te vê! Depois dizem que o poder e o dinheiro não modifica as pessoas...

Segue abaixo, a íntegra da carta à população que que os servidores estão entregando  para que todos sejam esclarecidos dos motivos da greve.

sindPreves - FENASPS

Carta Aberta à População
GREVE POR TEMPO INDETERMINADO
 DOS SERVIDORES
 DO MINISTÉRIO DO TRABALHO

               Os servidores do Ministério do Trabalho entregaram aogoverno, em fevereiro de 2009, uma Pauta de Reivindicações contendo a minuta do Novo Plano de Carreira para o setor administrativo. Nestes oito meses o governo não apresentou qualquer respostas às nossas reivindicações e, mesmo com nossas paralizações em Agosto, Setembro, e Outubro, o goveno continuou a nos ignorar.
              Diante do descaso do governo, não nos resta outra alternativa a não ser a deflagração da Greve por Tempo Indeterminado a partir de 5 de novembro/09.
              Ressaltamos que esse Plano de Carreira é antiga reivindicação dos trabalhadores que desempenham importante função no trato das questões trabalhistas entre patrões e empregados, sendo fundamental para os servidores do Trabalho a sua implementação para corrigir imensa defasagem salarial sdando estímulos aos novos contratados que, sem essa Nova Carreira, já se preparam para deixar o serviço público. Esperamos que o governo cumpra o compromisso de garantir essa Nova Carreira para os Servidores Administrativos do trabalho.

PRINCIPAIS REIVIDICAÇÕES
1) Plano de Carreira com Remuneração Justa;
2) Manutenção da Jornada de Trabalho com Atendimento de 12 horas - em dois turnos 6 horas;
3) Melhores Condições de Trabalho;
4) Incorporação Imediata das Gratificações Produtivas;
5) Paridade de Reajuste entre Ativos e Aposentados;
6) Convocação de todos os aprovados no último concurso.
sindPReves e Servidores do MTE do Paraná

A Greve é a linguagem dos que não são ouvidos!







Além do preconceito, a prepotência.



O ato explícito de preconceito e prepotência, acontecido na Universidade Bandeirante (Uniban) que culminou na expulsão da aluna Geisy Villa Nova Arruda, deve ser não só investigado, como coibido e corrigido, pelo  Ministério da Educação dentro das suas atribuições legais, como também julgado e devidamente punido pela Justiça, visto que a Geisy,  não bastasse  ter sido  hostilizada por seus "colegas", que além de incidirem  no crime de preconceito, ainda cercearam-lhe o direito de ir vir, simplesmente por  usar uma minissaia nas dependências da instituição, acabou sendo ela, justamente a vítima,  a única responsabillizada, julgada e punida, sem ao menos lhe respeitarem o direito à ampla defesa, como lhe é garantida pela nossa  Constituição Federal.
Segundo a secretária de Educação Superior do MEC, Maria Paula Dallari, o órgão vai averiguar por que os demais estudantes não receberam o mesmo tratamento dado a Geisy.
Para a secretária, a Uniban não exerceu seu papel de educar e formar cidadãos. Maria Paula Dallari avalia que a Uniban poderia, eventualmente, ter adotado uma solução interna.

Para finalizar, uma  esta charge do Lute, quem sabe ela sirva de sugestão para  vestimentas adequadas a serem adotadas no regime interno da Universidade.

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Senador Álvaro Dias não aceita continuar em CPI's que compactuem com o governo.


Fonte: Blog do Fábio Campana


Sem acesso a informações e documentos, a oposição está disposta a jogar a toalha e abandonar a CPI da Petrobrás, no início desta semana.
Totalmente controlada pelo governo, a Comissão Parlamentar de Inquérito acabou esvaziada depois de três meses de funcionamento. Nesse período, os oposicionistas não conseguiram aprovar a convocação de envolvidos em supostas irregularidades com a estatal nem consultar a papelada enviada ao colegiado.
“Defendo a tese de que a gente saia da CPI para não compactuar com essa encenação. Se continuarmos, vai parecer que estamos concordando com algo espúrio”, afirma o senador Álvaro Dias (PSDB-PR), autor do requerimento da comissão.
Na terça-feira, as bancadas tucana e do DEM deverão ser reunir para decidir o que fazer. Dos 11 titulares, a oposição tem só 3 membros, o que impossibilita a aprovação de qualquer medida que desagrade ao governo e à Petrobrás.
Blindada pela tropa de choque do governo, a CPI teve 11 reuniões desde sua instalação e tomou o depoimento de meia dúzia de diretores da estatal. O relator, senador Romero Jucá (PMDB-RR), já avisou que pretende apresentar suas conclusões em dezembro. Deverão constar propostas para melhorar a administração, como uma legislação específica para licitações.
“O interesse do governo nessa CPI é descomunal. Por isso, não conseguimos avançar nada”, lamenta Dias.

OLHO VIVO: Certíssimo o Senador Álvaro Dias, o povo já está cheio de "tudo acabar em pizza", e de "CPI's somente prá inglês ver", continuar a bordo de  barco furado, e trem que não anda, ora, só para aqueles que não tem o que fazer ou  outros interesses escussos!

PT confirma que pode lançar candidato prórpio ao governo do Paraná


Fonte: Roger Pereira

O “breque” nas alianças anunciado pelo presidente em exercício do PDT, deputado Augustinho Zucchi, e a relutância do senador Osmar Dias (PDT) em anunciar publicamente sua intenção de disputar o governo do Estado em uma coligação com o PT no ano que vem foram os principais motivos que levaram a direção estadual petista a anunciar (em nota divulgada sexta-feira) que, apesar da preferência pela formação de uma aliança, o partido está preparado para lançar um candidato próprio ao governo.
Os motivos foram destacados ontem, durante reunião do diretório estadual da legenda. A presidente estadual do partido, Gleisi Hoffmann, informou que o PT aguarda uma posição de Osmar, no máximo, até o fim do ano.
A irritação do PT se deve ao fato de que Osmar teria afirmado a dirigentes do PT que anunciaria publicamente a intenção de caminhar com o PT dias antes de Zucchi informar que o PDT iria parar por um momento de discutir alianças.
Presentes no encontro, o ex-prefeito de Londrina, Nedson Micheleti e a secretária estadual de Ciência e Tecnologia, Lygia Pupatto, inclusive, colocaram seus nomes à disposição para a disputa estadual. Outros nomes, mas que não estavam na reunião, também foram lembrados, como o do ministro Paulo Bernardo e o do presidente da Itaipu Binacional, Jorge Samek.

“A aliança é o que queremos e estamos construindo, mas deixamos claro que temos alternativas. Se não tivermos segurança nessa aliança, vamos lançar candidato próprio”, disse o secretário-geral do PT, Florisvaldo de Souza. “Está faltando o Osmar falar publicamente que prioriza a aliança com o PT”, emendou.
Para o secretário, a nota acalma a base do partido e deixa claro que o partido não será refém de ninguém. “Não vai acontecer o que o governador Requião, numa semana infeliz, declarou, que o PT vai rastejar atrás do PMDB”, comentou.
O deputado federal André Vargas, um dos mais críticos à postura de Osmar Dias, disse que a nota é uma reposta direta ao pré-candidato pedetista e cobra uma definição do senador que, segundo ele, está vacilando.
“Ele não definiu de que lado está. Está vacilando. Temo que faça com o PT igual fez com o Requião em 2006, quando conversou, articulou e na hora saiu candidato, adversário de Requião como candidato da direita”, disse. Sobre as conversas que teve com Osmar, Vargas disse apenas que “minha relação política com Osmar Dias, agora, será somente em público”.
A presidente estadual do partido, Gleisi Hoffmann explicou que a nota surgiu de uma necessidade do partido se posicionar perante a militância e a sociedade sobre as mudanças na conjuntura, mas que não foi direcionada a nenhum personagem em específico. Gleisi disse que espera, até o final do ano, por alguma atitude simbólica de Osmar Dias que indique que ele pretenda caminhar junto com o PT.
“Não é só questão de dar palanque para a Dilma (Rousseff pré-candidata petista à presidência), como ele vem dizendo. É questão de concepção de estado, de projeto de desenvolvimento do Brasil”, disse, revelando que uma posição firme do senador neste sentido passaria por cima, até, de sua assinatura na CPI do MST, que desagradou muitas correntes do partido.
Gleisi lembrou que a aliança também pretende englobar o PMDB do governador Roberto Requião e que, para isso, conta com a palavra do governador, que contestou a aliança nacional formada por PT e PMDB.
“Acredito que se ele contestou, foi no método, pelo fato de ele não ter sido consultado, pois ele é homem de palavra e já disse para a ministra Dilma, na minha frente, que ele a apoiará”.

OLHOH VIVO: Olha minha gente o Pt do Paraná tem nomes de peso para lançar como candidatos ao Governo do Estado sim, e não pode somente ficar esperando a boa vontade de outros decidirem! A própria Gleise, se não fosse candidata ao senado, onde já está sendo apontadas em todas as pesquisas, como praticamente vaga garantida, se tudo continuar andando conforme manda o figurino, serioa uma candidata fortíssima ao cargo maior do nosso Estado! Olha PT/PR, lembre-se, "quem muito espera come frio"!




sexta-feira, 23 de outubro de 2009

SENADOR OSMAR DIAS SE POSICIONA CONTRA O PT.


Osmar assina CPI do MST e se afasta do PT
Fonte:Roger Pereira
Agência Senado / Paraná on line

Osmar: “Pensei, refleti, analisei”. 
Único senador do PDT que assinou a proposta de CPMI do MST, Osmar Dias disse que agiu por coerência, sem se preocupar com as consequências eleitorais de sua decisão.
Negociando uma aliança com o PT para a disputa do governo do Estado no ano que vem, Osmar é visto com resistência por alas petistas justamente por sua ligação com o agronegócio e sua assinatura na CPMI pode ser mais um argumento para o grupo contrário à aliança.
“Não estou preocupado com o que algumas pessoas pensam e nem com o que outras são pagas para pensar. Estou preocupado em manter minha coerência”, disse o senador, que informou ter assinado a CPMI pelo seu histórico. “Fui diferente dos meus colegas de partido porque eu tenho uma história de defesa da Constituição, das leis, do direito de propriedade e eu coloco sempre essas questões acima das questões políticas”, afirmou.
Osmar disse que só assinou a CPMI no último dia do prazo (quarta-feira) pois avaliou o risco de a CPMI ser uma manobra eleitoral. “Pensei muito, refleti, analisei as razões de quem estava propondo e analisei, também o outro lado. Acho que o MST terá, com a CPMI, uma grande oportunidade de provar que não tem irregularidade. Enquanto que está acusando, terá de provar as irregularidades”, disse.
Questionado se sua coerência permitirá uma coligação com o PT no ano que vem, o senador disse que, apesar desse seu histórico, essa aliança será possível porque será programática.
“Minha coerência permite apresentar um projeto e esse projeto ser o condutor de uma aliança em que aqueles partidos que acharem que esse projeto for importante para o Estado serão bem-vindos. Eu não faço aliança eleitoral e portanto não preciso explicar para ninguém minha aliança com nenhum partido”.



Gleisi: “...Há uma corrente dentro do partido que desde o início era contra a aliança, em defesa da candidatura própria..."


A presidente estadual do PT, Gleisi Hoffmann, uma das articuladoras da coligação do PT com o PDT no Paraná, lamentou a decisão do senador. Ela não disse não saber o impacto que essa assinatura terá dentro do PT, mas lembrou que a defesa dos movimentos sociais é uma bandeira do partido.
“Lamento que ele tenha assinado. É um movimento da oposição de tentar desgastar o governo. Não é uma questão central do desenvolvimento do país”, comentou. “Não posso dizer se é decisivo na configuração de uma aliança, pois outros aspectos também serão considerados, mas, com certeza, foi ruim. Até porque nós éramos contrários a essa CPMI. Se for pra fazer CPMI do MST, tem que fazer CPI da grilagem de terras, das dívidas de grandes produtores com o Banco do Brasil, por exemplo”, acrescentou.
Gleisi reafirmou que há sim o interesse em aliança com o PDT, “o PT nacionalmente está investindo na aliança com o PDT e também com o PMDB e nós, aqui no Paraná, temos que fazer tudo para colaborar com essa articulação nacional”, mas admitiu que há um grupo no partido contrário à coligação.
“Há uma corrente dentro do partido que desde o início era contra a aliança, em defesa da candidatura própria. Obviamente que eles têm críticas ao senador Osmar Dias, críticas a essa postura e teremos de fazer esse debate internamente”, comentou, frisando que a decisão sobre coligar ou não será tomada pela base do partido.

OLHO VIVO: Este é realmente um balde de água fria em quem dava como certa a aliança do PDT com o PT, ainda tem muito tempo e muita água para rolar por aí....Mas diga-se de passagem, que o Senador Osmar Dias não combina mesmo muito com PT, MST etc, todo mundo sabe, principalmente seus eleitores, e tem gente que jura que toda esta papo de aliança com o partido do governo é só balela, sabe tipo no futebol, o atacante passa o jogo inteiro caindo pela esquerda, e no final corta para a direita, deixando a defesa adversária sem ação, invade a área e faz o gol. É o que me disseram a "boca miúda" alguns de seus eleitores da antiga. E olhe que o jogo nem começou ainda!



segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Câmara aprova projeto de Alvaro que transforma Foz em ZPE



Fonte: Blog do Fabio Campana

A Câmara dos Deputados aprovou Projeto de Lei do senador Alvaro Dias, do PSDB, que transforma Foz do Iguaçu em Zona de Processamento de Exportação (ZPE).
O projeto foi aprovado pelo Senado no fim do ano passado, e agora foi aprovado, por unanimidade, pela Comissão de Desenvolvimento Econômico da Câmara.
O Projeto passará por mais duas comissões antes de ser encaminhado à sanção do presidente da República.
“Transformada em lei, a ZPE será um importante instrumento de desenvolvimento regional, com a atração de investimentos. Foz do Iguaçu tem vocação natural para o comércio exterior e os instrumentos já existem no município: mão-de-obra qualificada e infra-estrutura básica necessária ao estabelecimento de novas indústrias e ao fluxo de matérias primas e produtos”, disse o senador.

OLHO VIVO: Temos que estar sempre atentos aos nossos representantes no governo, para sabermos com certeza quem merecerá nosso voto no pleito eleitoral que se aproxima. Pseudo-políticos de plantão, paraquedistas, ou ainda naqueles que  após serem eleitos simplesmente esquecem de quem os elegeu, ou que tem a obrigatoriedade de brigar pelos cumpromissos assumidos quando em campanha estarão às pencas batendo nos ombros da população e beijando crianças pelo nosso Estado novamente. É facil verificar quem trabalha e quem não o faz; O Senador Álvaro Dias é um exemplo daqueles  incansáveis parlamentares, como Ulisses Guimarães, Tancredo Neves e tantos outros o foram no cenário nacional, que realmente resolvem dedicar sua vida à coisa pública, em prol do bem comum. E no caso do Senador, é só fazer uma análise, ou simplesmente prestar atenção ao seu trabalho, que facilmente isto se verifica . Precisamos cuidar de pessoas com esta maneira de agir e de pensar, por que  ultimamente políticos assim estão são excassos.

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Mesmo sendo aliado do PT Osmar Dias se manifesta contra atos do MST

MST deixa Osmar de saia  justa.
Fonte:Eduardo Schneider/HoraH News



As incompatibilidades estruturais entre os eleitores de Osmar Dias e os do PT começaram a surgir bem antes que se esperava. Com a estúpida invasão da fazenda da Cutrale no interior de São Paulo pelo MST.
As imagens do uso de trator para destruir milhares de pés de laranja, símbolo do agronegócio mais bem sucedido do Brasil, percorreram o mundo. Osmar é ligado a esse setor. O MST é aliado histórico e financiador do MST. Para mostrar que ainda não é um laranja do PT Osmar achou prudente se manifestar contra o barbarismo no laranjal:
- “Não podemos admitir a destruição de um ambiente de trabalho, como o que foi feito em São Paulo. Lá se foram sete mil pés de laranja que estavam produzindo e os trabalhadores deixaram de ganhar o seu ganha-pão. Não é este o método que deve ser utilizado para reivindicar o direito legítimo a terra neste País. Defendo que as autoridades de São Paulo e federais tomem providências e punam os responsáveis, sob a pena de termos conflitos no campo”.


O caso do laranjal é tão flagrante e beócio que até o Incra e o governo petista manifestaram repulsa. Pelo menos da boca pra fora. Os problemas de Osmar vão ficar mais agudos quando ele tiver de enfrentar questões mais sutis, como o índice de produtividade que o PT e o MST querem aumentar para facilitar as desapropriações de terras. Com os novos índices terras atualmente tidas como produtivas passarão a ser passíveis de desapropriação para reforma agrária.
Ainda que a reação de Osmar aos desvarios dos aiatolás boçais do MST tenha sido contida e apropriada, serviu para animar setores mais hidrofóbos do PT que sonham com a candidatura própria.


O laranja
Quem imagina que o ataque do MST as plantações de laranja não encontraria, por sua estupidez e irracionalidade, ninguém que o defendesse, precisa rever seus conceitos. O indizível deputado Doutor Rosinha já está no meio do laranjal defendendo os insanos.
Com aquele jeitão de irmão gêmeo do Capitão Caverna Rosinha assina um artigo em que chama a devastação de árvores frutíferas de “fato isolado” e critica a disposição dos deputados de usar o episódio para investigar o banditismo chapa branca do MST com uma CPI.
“A bancada ruralista no Congresso Nacional defende o cartel internacional das indústrias de suco de laranja e faz uso de um fato isolado para tentar ressuscitar um pedido de CPI contra o MST já rejeitado pela maioria do Legislativo”.


Números
A partir daí o Doutor Rosinha desenvolve um raciocínio espantoso para tentar demonstrar que as árvores derrubadas pelo MST não representam qualquer dano maior. Diz o inacreditável artigo:
“A Sucocítrico Cutrale Ltda., dona da fazenda, teria mais de 20 milhões de pés de laranja distribuídos em mais de 40 fazendas de sua propriedade no Brasil, além de outras unidades na Flórida (EUA). Ao se tomar por base a estimativa da PM de São Paulo, que divulgou o número de 7 mil pés derrubados —o MST sustenta que o número foi menor, inferior a três mil—, chega-se ao percentual de 0,7% das árvores da fazenda, que totalizam um milhão, ou então de 0,035% dos cerca de 20 milhões de pés de laranja das fazendas da Cutrale em território nacional”.


Gênio
O raciocínio embutido no arrazoado do Doutor Rosinha é genial e deve, quem sabe, criar jurisprudência.
A chacina de 8 pessoas mortas a tiros no final de semana no Uberaba, por exemplo, pode ser enquadrada nesse contexto de mero “fato isolado”.
Afinal, a morte de 8 pessoas num universo de 70 mil representa meros 0,0114285% do total dos moradores do bairro.


OLHO VIVO: Parabéns ao Senador Osmar Dias, não é pelo fato de fazer parte da base governista, nem sendo líder do governo deste no senado, que se deve concordar com tudo, muito menos com um absurdo destes. Agora para quem quer ter razão em tudo e a qualquer preço, vale qualquer artifício para tentar se minimizar ou ocultar os fatos ilícitos que seus apoiadores praticarem, queria ver se um grupo de trabalhadores sem teto, a título de redistribuição de moradias, invadissem a residência do deputado, então ele concordaria que eles tomassem posse definitiva e ou, destruíssem os seus bens....Não que sejamos contra os movimentos populares e suas manifestações, porém para tudo existe um meio e um fim apropriado! Na máxima: "Os meus direitos acabam onde começam os seus", já se pode visualizar esta questão sem muito esforço, cultura ou conhecimento para tal.


terça-feira, 6 de outubro de 2009

TJ Suspende Lei do Estrangeirismo no Estado

 Fonte: Helio Miguel      Paraná On Line 
                                                                                 

                                       Dr. Nivaldo Migliozzi
                                        Advogado do Sepex
A polêmica lei que obriga a tradução, para o português, de publicidade em língua estrangeira no Estado, deverá, a partir desta semana, ter seus efeitos suspensos. É que na última sexta-feira (2), o Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR) acatou um pedido de liminar do Sindicato das Empresas de Publicidade Externa do Paraná (Sepex-PR), em um processo que pede a inconstitucionalidade da lei. Assim, enquanto o mérito da ação não for julgado pelo TJ, o governo do Estado não poderá aplicar a norma.
De acordo com o presidente do Sepex-PR, Romerson Faco, a garantia obtida na Justiça estadual é, antes de tudo, um benefício a toda a sociedade. “A decisão é uma mensagem clara para toda a sociedade civil organizada de que as leis, antes de serem aprovadas, devem ser muito bem discutidas e analisadas”, afirma. A falta de diálogo durante a edição das leis, segundo ele, acaba abrindo espaço para ações judiciais, como aconteceu nesse caso.
Para Faco, a Lei 16.177, em vigor desde 17 de julho de 2009, fere a liberdade de expressão no Estado - e o entendimento do TJ-PR foi no mesmo sentido. Segundo ele, a obrigação de traduzir a publicidade prejudicaria não só o mercado local, mas também agências de outros estados e países que enviam publicidade ao Paraná. “Como faríamos, por exemplo, para traduzir um slogan de uma multinacional?”, questiona.
Faco sugere que, caso o governo do Estado queira coibir abusos de estrangeirismos na publicidade, busque conversar com as entidades do setor. “O controle não pode ser feito por lei, mas sim trabalhado com as instituições. Se há abusos, podemos chamar as empresas”, diz, lembrando que a ação de inconstitucionalidade é fruto de um trabalho conjunto de uma série de entidades de classe ligadas à área de comunicação.
O advogado do Sepex-PR, Nivaldo Migliozzi, informa que a decisão do TJ-PR pela suspensão da lei foi baseada no risco que a regra traria ao mercado caso continuasse em vigor, ao menos até que uma decisão final, com relação ao mérito do processo, seja proferida.
Para ele, porém, a decisão liminar foi muito bem fundamentada e já se confunde com o mérito. Segundo o advogado, a decisão da última sexta-feira deve ser publicada ainda esta semana.


quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Senador Flávio Arns se filia ao PSDB


Fonte: Blog do Alvaro Dias

O Senador Flavio Arns , uma das reservas éticas da política paranaense acaba de filiar-se ao PSDB. Saiu do PT inconformado com a postura do partido durante a crise do Senado. O PSDB com 15 senadores é a segunda maior bancada do Senado Federal.

Olho Vivo: Este veio para somar às fileiras do PSDB, ajudando a representar o Estado do Paraná e trazendo uma história de ética, moral e ombriedade em sua carreira política. Parabéns ao PSDB, e ao Senador!

SOMENTE O SENADOR ÁLVARO DIAS QUESTIONOU TOFFOLI NA SABATINA

Fonte:Fábio Campana

Deu-se o esperado. Indicado por Lula para ocupar uma cadeira no STF, o nome do advogado José Antonio Dias Toffoli passou pela Comissão de Justiça. Surpreendente foi a facilidade.
Foram 20 votos a favor e apenas três contra. O escrutínio foi secreto, mas todos sabem que a bancada governista na comissão soma 15 senadores. No mínimo cinco votos migraram da oposição para Toffoli.
Apenas Alvaro Dias, vice líder do PSDB, fez ressalvas consistentes na sabatina de Toffoli no Senado. Disse que Tofolli não dispõe de notável saber jurídico, exibe currículo precário –sem mestrado nem doutorado—e foi reprovado em dois concursos para juiz. Realçou os vínculos políticos do advogado com Lula e com o PT. Lembrou que foi condenado pela Justiça Federal do Amapá.



OLHO VIVÔ: O Senador Álvaro Dias é homem de caráter, e assim sendo nunca iria concordar com apadrinhamentos, e loteamentos de cargos públicos, para serem trocados depois por favores escusos; Pena que ele seja uma das poucas excessões, entre tantos outros que fazem da política neste país uma grande mazela, porém a luta dele e de outros valem a pena, se não fosse assim seria melhor a anarquia!


quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Senador Álvaro Dias sempre atento, questiona indicação de Toffoli



A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado analisa parecer sobre a indicação do advogado-geral da União, José Antônio Dias Toffoli, vaga de ministro do Supremo Tribunal Federal. Durante a reunião, o senador Alvaro Dias (PSDB-PR) fez duras críticas à indicação.
"Não posso aplaudir a indicação do presidente", disse. Ele pode ser um bom advogado para o presidente, para o PT, para qualquer um de nós. Mas ele não é o melhor para ocupar a função de ministro do STF, que não pode ser visto como um cabide para os que eventualmente ocupam um cargo, completou."
Dias também afirmou que Toffoli não tem notório saber jurídico e reputação ilibada, exigidos pela Constituição para a ocupação da vaga de ministro do STF. Lembrou que ele foi reprovado em dois concursos para juiz de primeira instância e disse que o fato de ter sido advogado do PT nas campanhas eleitorais e no julgamento do caso mensalão no STF compromete a indicação. "A reputação ilibada não estaria comprometida por ele ter defendido o governo Lula no mensalão?", perguntou.

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Assembéia Legislativa Proíbe fumódromos no Paraná

Representantes dos produtores de fumo e donos de bares e casas noturnas acompanhando votação na Assembléia Legislativa de Paraná.

Conforme o texto da Lei Antifumo aprovada na sessão de ontem à tarde, na Assembleia Legislativa, está proibida acriação de áreas especiais para fumantes, (fumódromos), por 37 votos a 10, os deputados estaduais aprovaram a lei que proíbe o uso do fumo em ambientes fechados de uso coletivo no Estado. Na votação da emenda dos fumódromos, dos 46 deputados presentes à sessão naquele momento, 10 foram a favor e 36 se posicionaram contra a proposta do deputado estadual Reinhold Stephanes Junior (PMDB).

OLHO VIVO : Precisamos ficar atentos, pois da maneira como nossos governantes estão procurando a cada dia mais cercear nossos direitos, num futuro muito próximo poderemos estar acompanhando votações de projetos de lei que visam restringir o direito de imprensa, da liberdade de ir e vir, de fumar em nossas próprias residencias, de ingerir bebidas alcoólicas em bares e restaurantes, de manifestar nossa opinião, de nos posicionarmos contra e ou criticar o governo dentre outras tantas que essa vasta imaginação daqueles que detem o poder pode gerir.
Mas atentando agora somente à esta citada lei de cerceamento de liberdade, além de, repetindo novamente, ser INCONSTITUCIONAL, é também fisica e logisticamente infiscalizável, igual a outras tantas, como a que proíbe a venda de bebidas alcoólicas em estabelecimentos situados nas rodovias federais, mais uma hipocresia legislativa insustentável, como diria um amigo meu, ..."Adotar, e levar para casa um elefantinho ainda pequenino é facil, quero ver é cuidar e alimentar depois de crescido".... , Assim são essas leis.

terça-feira, 15 de setembro de 2009

Pesquisas definirão candidato do PSDB ao governo do Paraná

Fonte: Elizabete Castro Ciciro Back

Alvaro Dias: "É uma manifestação de respeito a quem elege".

O senador Alvaro Dias, pré-candidato do PSDB ao governo do Estado, disse ontem, em Curitiba, que a adoção das pesquisas de intenções de votos como critério para a escolha do candidato tucano ao governo nas eleições do próximo ano facilita o entendimento com o grupo que apoia a candidatura do prefeito de Curitiba, Beto Richa.

Alvaro participou da reunião da executiva estadual, que formalizou a renovação do mandato das atuais executivas municipais do partido, como já havia sido aprovado para o diretório estadual.

Assim como no plano nacional, os governadores de São Paulo, José Serra, e de Minas Gerais, Aécio Neves, fizeram um acordo para que a indicação à presidência da República não seja resultado de uma prévia, no Paraná, as pesquisas também são um instrumento de conciliação, comparou Alvaro. "É uma manifestação de respeito a quem elege", emendou o senador tucano.

Quantas e quando serão realizadas as pesquisas de intenções de votos que orientarão a indicação do candidato ao governo são decisões que deverão ser tomadas pelo partido, disse Alvaro.
O senador afirmou que cabe a Beto definir o período da pesquisa já que o prefeito de Curitiba precisa decidir se renuncia à prefeitura. "Para mim não tem problema de prazo. Mas o prefeito tem que ter um tempo para se preparar, então, ele deve definir sobre as pesquisas", disse.

Adesão popular

A candidatura ao governo não é uma obsessão, justificou o senador. Se não for o líder nas pesquisas de intenções de votos, Alvaro disse que não haverá frustração.

"Se não tiver a preferência, ninguém vai ter trabalho comigo", afirmou. Mas ressalvou que se o nome dele tiver a maior adesão popular, sua candidatura será irreversível.

Alvaro sustenta que a escolha do candidato por meio de pesquisa faz parte do acordo firmado com a atual direção estadual e a direção nacional do PSDB. Embora continue defendendo que o senador Osmar Dias (PDT) também tenha seu desempenho aferido para continuar aliado ao grupo, Alvaro disse que vê com mais dificuldade a aliança com o PDT depois que o PSDB fez a opção pela candidatura própria ao governo.

Entretanto, se as chances de um acordo partidário forem pequenas, Alvaro disse que há sempre a possibilidade de um pacto entre ele e o irmão. Os termos já são conhecidos: se um for candidato ao governo, o outro se retira da disputa. Alvaro afirmou que já conversou com Osmar sobre o assunto e garante que a proposta foi aceita pelo pedetista.

Sobre as negociações para atrair o PMDB para uma composição em 2010, Alvaro localiza os esforços nas direções nacionais. O senador tucano afirmou que, enquanto o PMDB sustentar que tem uma candidatura própria ao governo, não irá procurar o partido para uma composição. "Não faço incursões em um partido que já tem um candidato e que respeito. As conversas existem, mas no plano nacional", disse.

sábado, 5 de setembro de 2009

Vitória para Reinhold Stephanes na lei Antifumo

Depois de pedir mais tempo para relatar o recurso das emendas ao projeto de lei antifumo, o deputado Artagão de Mattos Leão Junior (PMDB) anunciou ontem que está “surpreso” com as notícias sobre o acordo feito pela liderança do governo para aprovar a constitucionalidade das propostas apresentadas pelo deputado Reinhold Stephanes Junior (PMDB).
“Se houve qualquer tipo de acordo, eu não fiz parte dele e sequer tomei conhecimento”, disse o relator. Agora, quem vai se surpreender é o líder do governo, Luiz Claudio Romanelli (PMDB).

OLHO VIVO: Era óbvio que se fosse à plenário o governo perderia, então para não ficar tão feio resolveram formular este acordo, que na verdade acabou beneficiando, mais o clã do Roma, do que quem se opunha. Mas o importante é que valeu a posição do Stephanes em defender os direitos individuais essencias dos paranaenses.

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Valeu a briga de Senador Álvaro Dias e da oposição, na questão da não aprovação do "caráter de urgência" nos projetos do pré-sal.

Lula admite retirar urgência dos projetos do pré-sal
Fonte: Josias de Souza na Folha Online

Lula recebeu em audiência, na tarde de ontem, o presidente da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP). Discutiram a urgência na tramitação dos quatro projetos que instituem as regras para exploração do petróleo do pré-sal.
A urgência é uma prerrogativa do presidente, prevista na Constituição. Quando adotada, impões prazos ao Legislativo. Os congressistas ficam obrigados a votar os projetos em três meses – 45 dias para a Câmara e 45 dias para o Senado.
Temer sugeriu a Lula que dê meia-volta, retirando das propostas do pré-sal o selo da urgência. Por que? Antes de ir a Lula, Temer reunira-se na Câmara com os líderes dos partidos. Verificou que o ritmo do toque de caixa não irritara apenas a oposição.
A maioria das legendas do consórcio governista também torceu o nariz. Se fincar o pé, o governo arrisca-se a minar a sua base congressual.
Os oposicionistas PSDB, DEM e PPS já haviam decidido bloquear as votações no plenário da Câmara. Um protesto contra a urgência do pré-sal.
Na reunião com Temer, revelaram-se contrários à urgência também os governistas PMDB, PP, PR e PTB. A favor, apenas o PT e o PSB.
Ao sentir que o chão lhe fugia dos pés, Temer, antes favorável à urgência, refluiu. E deicidiu ir ter com Lula.
Depois de ouvir as ponderações, o presidente pediu tempo. Disse que, antes de decidir, vai ouvir o seu conselho político. Deu a entender que pode recuar.
Integram o conselho todos os presidentes e líderes dos partidos associados ao consórcio governista. Serão auscultados por Lula nesta quinta (3).
A julgar pelo que se verificou na reunião feita por Temer, Lula não terá senão a alternativa de rever a urgência.
Renderia homenagens ao bom senso se o fizesse. As regras do pré-sal foram discutidas pelo governo, a portas fechadas, por um ano e dois meses.
Não parece razoável que o Congresso engula tudo de sopetão, sem esmiuçar os projetos.

OLHO VIVO: É assim mesmo que deve acontecer, o governo tem que entender, que essa "base governista", não governa sozinha nosso País! Valeu a briga da oposição, principalmente na liderança que representa o Senador Álvaro Dias (PSDB/PR), ao defender mais uma vez os interesses da população brasileira! Ppois se o governo levou em torno de um ano para discutir a questão do camada de petróleo no pré-sal, porque justamente na hora de discutir os parâmetros para sua exploração, por aqueles que são os representates do povo no Congresso Nacional, têm que ser tudo às pressas? Só tiver algo a esconder! OLHO VIVO MEU POVO!!

terça-feira, 1 de setembro de 2009

Senador Álvaro Dias fiscalizando os projetos para exploração de petróleo no pré-sal.

Ao discursar em Plenário, o senador Alvaro Dias (PSDB-PR) criticou o governo Luiz Inácio Lula da Silva por ter pedido regime de urgência para a tramitação dos quatro projetos - entregues nesta segunda-feira (31) ao presidente da Câmara, Michel Temer - que tratam da exploração de petróleo na camada pré-sal . O senador disse que os parlamentares não terão tempo suficiente para discutir "um assunto tão importante para o país", já que pelo regime de urgência os projetos tramitam obrigatoriamente em 90 dias - 45 dias na Câmara e 45 no Senado.
- Por que tanta pressa? O governo quer pressa porque não quer alterações significativas na sua proposta. Ele quer impor a sua proposta. Não que exista necessidade de urgência, até por que alguns obstáculos tecnológicos e financeiros ainda obstaculizam as iniciativas do governo para chegar até a efetiva exploração do pré-sal - disse.
Para o senador, o Congresso Nacional demanda mais tempo para realizar audiências públicas sobre o tema com especialistas.
- Melhor demorar um pouco mais e oferecer um marco regulatório competente e com segurança, para que essa descoberta possa significar realmente esperanças de um futuro promissor para o nosso país - declarou.
Alvaro Dias classificou a cerimônia de lançamento do novo marco regulatório do pré-sal como "espetaculosa" e acusou o governo federal de usar o fato com interesses eleitorais. Para ele, o governo quer ser o "proprietário dessa conquista, dessa descoberta", mas esquece que a Petrobras investe em pesquisas há mais de 30 anos.
- Esse esforço da Petrobras é que possibilitou essa descoberta de tamanha importância para o futuro do Brasil - afirmou.
Um dos projetos enviados pelo presidente da República ao Congresso prevê a criação de uma nova estatal para gerenciar os recursos do pré-sal. Alvaro Dias não vê necessidade de criação de uma nova estatal, o que, na opinião dele, "esvaziaria" a Petrobras.
- Por que nova empresa? Afinal, a Petrobras, com a sua história, com seu conceito, com a sua capacitação técnica e profissional, com quadros técnicos experientes e comprovadamente eficientes não teria as condições adequadas para administrar de forma plena a exploração do pré-sal? - questionou.
Alvaro Dias encerrou seu pronunciamento pedindo ao governo federal a retirada do regime de urgência dos quatro projetos do pré-sal, para que o Parlamento possa contribuir para o aperfeiçoamento das propostas.


Expovel
Alvaro Dias também registrou sua participação, no último fim de semana, da cerimônia de abertura da 30ª Exposição Feira Agropecuária de Cascavel (Expovel), no oeste paranaense. De acordo com o senador, a feira terá como uma das prioridades o debate sobre o aumento da produção combinado com preservação ambiental.

Fonte: Da Redação / Agência Senado


(Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)
94798
É isso aí Senador, não podemos deixar que a camada de petróleo no  pré-sal, se torne apenas um instrumento de convencimento para fins eleitoreiros, mesmo porque, não foi o Lula ou o PT, que a descobriram, mas sim que é o fruto de anos de pesquisas efetuadas com extrema seriedade e propriedade pelos técnicos da Petrobrás. É uma conquista de toda uma nação, e não de um grupo político! E assim sendo, os projetos inerentes tem que tramitar com todos os cuidados necessários à sua implementação, e não da maneira que o governo está tentando fazer, para tão somente tentar dele usufruir, como se deste fosse o dono!

sábado, 29 de agosto de 2009

O desabafo, de Pedro Simon

Simon, desolado: “No Brasil, não se apura nada”


Fonte: Josias de Souza na Folha Online


O senador Pedro Simon (PMDB-RS) foi e ouviu o ronco da rua. Esteve no Largo do São Francisco, a faculdade de Direito da USP. Rodeado de estudantes, resumiu numa frase o desalento que o assaltou depois que o Senado arquivou as ações contra Sarney e o STF livrou a cara de Palocci.
“Ficou provado que, no Brasil, não se apura nada”. Alunos e professores perguntaram ao senador o que há de ser feito. E Simon: “Se houvesse movimento da sociedade, duvido que Sarney não tivesse renunciado”.
A reação contra a impunidade precisa vir, no dizer de Simon, “de fora para dentro”. Leia-se: das ruas para as instituições públicas.
Sim, Simon enfatizou, “porque de dentro do Congresso e do Supremo Tribunal Federal não vai sair nada…”
“…Do presidente Lula não vai sair nada. E não adianta destituir o Conselho de Ética, porque o STF acaba arquivando tudo”.

Há no Senado quem já está pelas tampas com a pregação ético-moral de Simon. Por exemplo: Ideli Salvatti (PT-SC), líder de Lula.
Quando Simon sobe à tribuna para se queixar da renitência de Sarney, Ideli costuma perguntar, à boca miúda e entre risos:
“Ele já falou do Rio Grande do Sul ou continua fingindo que é senador pela Paraíba?”
Em  relação aos malfeitos atribuídos à gestão da governadora gaúcha Yeda Crusius (PSDB).
Nesta sexta (28), como que decidido a livrar-se da pecha de “ético seletivo”, Simon disse meia dúzia de palavras sobre a encrenca gaúcha.
Presidente do PMDB estadual, Simon afirmou que seu partido “realmente tem participação” no governo tucano de Yeda.
Mas, segundo ele, o pemedebê “deixou claro” à governadora “que sairá do governo e que participará da CPI” aberta contra ela na Assembléia Legislativa.
Ah, bom!
OLHO VIVO! Concordo plenamente com o Simon, lembrando que num passado ainda próximo, o povo se pintou de verde e amarelo e ajudou a tirar Collor do poder, motivado por acusações, que se comparado às atuais contra Sarney, até parecem ínfimos.


O que mudou? O povo perdeu a vontade de protestar pelos seus direitos, exigindo justiça e se acomodou na poltrona da sala para tão somente assistir pela televisão os atos e falcatruas absurdas destes integrantes do crime organizado do terno e gravata, e poder nas mãos? Prefiro acreditar que não,que na verdade este povo está é preocupado em trabalhar para prover seu sustento e por isso não tem tempo para protestar, mas que vai dar a devida resposta nas urnas ano que vem.


Mas deixo aqui meu protesto:


Que democracia é essa onde uma só pessoa pode se apossar de um estado inteiro e também do senado federal, tomando-os para si e fazendo deles simplesmente o que bem entender, a qualquer custo ou prejuízo em detrimento da população e do país, sem ter que responder judicial, administrativa ou criminalmente a absolutamente nada, por pior e mais fraudulenta que seja sua ditatorial gestão de poder, perpetuando assim “Ad Eternum” a continuidade de sua sinecura política, para si próprio e seus sectários


Só para concluir eu não posso deixar de perguntar:


- Será que as pessoas se lembram, qual era o vínculo político do atual presidente do senado e a qual partido ele era filiado, antes de formar a “chapa” com Tancredo Neves, para então se tornar candidato à vice-presidente da república? Cargo aliás, que ele mal chegou a ocupar visto que tragicamente Tancredo faleceu antes de poder dirigir nosso país pelos caminhos da tão sonhada democracia pela qual ele tanto tinha lutado.


E o presidente, o que ele achava do Sarney e do Collor, há alguns anos atrás, antes de se tornarem seus aliados?


Estas simples respostas podem demonstrar, algumas das razões porque o país está vivenciando esta podridão nos atos daqueles que deveriam estar, na verdade, defendendo os interêsses públicos!

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Democracia ou Ditadura?

Stephanes Jr nega lobby
e garante que não é “defensor do cigarro”
Fonte: Blog do Fabio Campana
Diante das acusações do líder do governo, deputado Luiz Cláudio Romanelli, que acusou o deputado Stephanes Jr (foto) de “defensor do cigarro”, a resposta está na ponta da língua:
“Não sou defensor do cigarro, sou defensor da liberdade de escolha. Tive o bom senso de apresentar uma emenda que prevê a liberação do fumo ao ar livre, com mesas na calçada. Eles (os governistas) derrubaram a emenda por medo de uma derrota no plenário”, disse Stephanes, que deve apresentar recurso à CCJ na quinta-feira, contra a derrubada da emenda.
Quanto ao fato de, nas últimas semanas, sempre andar acompanhado do presidente da Abrabar (Associação Brasileira de Bares e Casas Noturnas), Fábio Aguayo, Stephanes diz: “Não é porque eu o chame. Ele é que não sai do meu lado”, brincou ao negar a existência de um lobby da Associação.
OLHO VIVO: Para alguns pseudo defensores dos interesses da população, quando o governo decide sobre um assunto, este fato deve ser respeitado como verdade absoluta, não importando se cercea ou não os direitos essenciais daqueles que não concordam e ou vão ser abrangidos por tal  ato, ou lei. Ato contínuo a partir de algum manisfesto de discórdia com o que está  sendo ditatorialmente imposto ao povo, quem for deste o porta voz, em defesa de seus direitos e em respeito à Constituição Federal, imediatamente vira alvo das mais diversas calúnias e acusações por parte daqueles que detém o poder, inclusive deste utilizando, para as mais diversas manobras e acordos antiéticos  necessários à garantir a execução de seus planos de manutenção de poder. Não quero ser redundante mas questiono novamente: Vivemos num regime demorático ou ditatorial? `
É preciso que se respeite a liberdade e igualdade de direitos de todos,  (não só dos membros do clero). Legislar não deve ser um ato utilizado para se ganhar popularidade e "posar de bonzinho", aproveitando-se de momentos propícios para tal. Vivemos um momento de de  inversão e desvirtuação dos valores e competências em nossas instituições, e isso não pode continuar. Hoje é uma lei antifumo que nos está sendo empurrada goela abaixo, amanhã pode ser a liberdade de imprensa, e depois o direito de ir e vir!
Repito, não  são os malefícios dos agentes fumígenos à saúde que estou  questinando aqui, mas sim a sua inconstitucionalidade. Hoje engolimos esta afronta à nossa Constituição Federal, amanhã o que será?
Nossa contrapartida é nosso voto! Esse é nosso maior fórum para  julgamento popular nestes casos, e dêle devemos utilizá-lo com sabedoria para inclusive dêle não sermos também cerceados.
Que bom seria se tivéssemos mais representantes populares com a vontade política do Deputado Estephanes Jr., pois não importa se está sendo defendido os direitos de minorias ou maiorias populares, o que importa sim é que todos são iguais perante à lei e assim devem permanecer e ser respeitados.

terça-feira, 25 de agosto de 2009

Quanto à inconstitucionalidade da LeiAntifumo

Muito bate-boca na Assembleia ontem à tarde. Tudo porque a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), de maioria governista, vetou as emendas apresentadas à lei antifumo, inclusive as que liberavam os fumódromos. O deputado Stephanes Jr, da base aliada de Requião, ficou furioso e disse que a CCJ usou de manobra, de “molecagem”, para derrubar as emendas.“O governo tem a maioria na CCJ e não deixa as coisas que não concorda chegarem ao plenário para ser melhor debatidas. O que fizeram é coisa de moleque. Esta mesma lei está em vigor em outros Estados com as emendas que hoje foram derrubadas”, disse Stephanes.
Fonte:Fabio Campana)

Dr.      Dr. Nivaldo Migliozzi (procurador da Abrabar), protocolando o Mandato de Segurança contra a Lei Antifumo, ontem (24/08),no Tribunal de Justiça do Paraná.


             OLHO VIVO:    O que está sendo questionado em relação à Lei Antifumo é quanto à sua inconstitucionalidade e não quantos aos efeitos nocivos da nicotina.Temos que tomar cuidado para não deixarmos que mascarem e deturpem a realidade dos fatos, visando manipular a opinião popular, dos verdadeiros interesses escusos por detrás de tais ações, que transgridem as competências institucionais democráticas nacionais estabelecidas.


Vivemos num Estado Democrático de Direito, e não podemos deixar que tais mazelas, com fins visivelmente eleitoreiros se apoderem das nossas Instituições e as desvirtuem de suas reais e primordiais finalidades, que são a defesa igualitária dos direitos dos cidadãos e a preservação da lei e da ordem em nosso País, para um simples instrumento de promoção pessoal. Legislar sobre este assunto é de competência federal, e ponto final. Desrespeitar a ordem legal neste caso é transgredir a Constituição Federal, não só neste ponto, mas também quanto à restrição de liberdade, o que é cerceamento dos Direitos Fundamentais. Se formos coniventes a esta atitude, seria então melhor rasgar a nossa Carta Magna e vivermos numa anarquia.
Parabéns à Abrabar e a seu procurador o Dr. Nivaldo Migliozzi, por se manifestarem oficialmente contra a lei e à favor da manutenção da liberdade de direitos dos cidadãos. Afinal de contas vivemos em um Regime Democrático, ou ditatorial neste País?